Litoral Virtual últimas notícias do litoral
Sexta-feira, 27 de fevereiro de 2004 - Nº 979 Edições Anteriores

Barra da Lagoa Porto das Artes BIL

Região
Trecho da SP-55 ganha radar na 2ª
Turistas são resgatados no Litoral Norte
Desfiles de Blocos animaram as cidades do litoral durante o carnaval


Caraguatatuba
Carnaval de Antigamente sacudiu a chuva e fez folião cair na folia
Fundacc abre inscrições para Educação Continuada da 3ª Idade
Câmara aprova maioria de sua pauta


Ilhabela
“Situação em Castelhanos está sob controle”, afirma prefeito
Ilhados contam pânico vivido na estrada de Castelhanos
Câmara aprova CEI para apurar serviço prestado no governo Nilce
Fecha-Bar Vetado


São Sebastião
Petróleo atinge praia de Guaecá, que continua imprópria para banho
Comdurb convocará Petrobras para esclarecer acidente em Guaecá
Petrobras confirma volume de óleo divulgado pela Cetesb
Prefeitura oferece curso de formação continuada a inspetores de alunos


Ubatuba
Máquina de limpeza de praias faz demonstração no Pereque Açu
Itamambuca promove operação praia superlimpa
Material de divulgação para a Feira da Alemanha de Turismo está pronto
Militar é preso por suspeita de 'arrastão' em Ubatuba no Carnaval
Cavex diz que cabo fica detido

Seções
Conto em Capítulos
Carta do Leitor
Foto do Dia



Notícias da Região Topo

Trecho da SP-55 ganha radar na 2ª

Litoral Norte - O DER (Departamento de Estradas de Rodagem) inicia na próxima segunda-feira a operação com dois radares estáticos na SP-55, antiga Rio-Santos, para coibir o excesso de velocidade na via.
Um dos equipamentos vai funcionar no trecho entre Ubatuba e Bertioga, que, segundo a Polícia Rodoviária Estadual, ainda não possui fiscalização de excesso de velocidade.
O outro aparelho funcionará no trecho entre Cubatão e Itanhaém. O Código de Trânsito estabelece que os radares estáticos sejam instalados em um suporte apropriado ou em um veículo da fiscalização de trânsito parado.
A assessoria de imprensa do DER informou ontem que os dois radares mudarão de localização de acordo com as necessidades da rodovia. Atualmente, 127 radares estão em funcionamento na malha rodoviária estadual, incluindo as rodovias concedidas à iniciativa privada.
ACIDENTES - Balanço divulgado ontem pela Secretaria dos Transportes aponta uma queda de 17,4% de acidentes fatais na estradas paulistas no Carnaval de 2004 em relação ao mesmo período do ano passado.
Foram 38 mortos em 2004 contra 46 no mesmo período do ano anterior. Em compensação, o número de acidentes subiu de 1.145 para 1.661. Segundo a Polícia Rodoviária, a explicação para o aumento foram as chuvas registradas no período.
Na via Dutra, estrada federal, foram registrados neste Carnaval 7 mortos e 197 acidentes da meia-noite de sexta-feira até a última terça-feira. (Fonte: ValeParaibano)

Turistas são resgatados no Litoral Norte

Litoral Norte - Um grupo de 22 turistas foi retirado ontem da praia Ponta Aguda, em Ubatuba, após ficar isolado desde terça-feira devido às chuvas. As pessoas contaram com a ajuda de uma escuna e de um jipe para saírem do local.
Já em Ilhabela, o mau tempo dificultou a remoção das pessoas que estão na praia de Castelhanos desde domingo. A Defesa Civil calcula que até 30 turistas estão isolados.
O problema nas duas cidades começou devido à chuva que deixou as estradas de acesso às praias intransitáveis. A lama e os galhos de árvores impedem a passagem dos veículos.
O presidente da Defesa Civil de Ilhabela, Klaus Bruder, disse que hoje será feita uma vistoria na estrada para traçar as possíveis melhorias. Ele afirmou que 150 turistas já foram retirados de Castelhanos. "Oito veículos ainda estão na praia", disse.
O ValeParaibano acompanhou na tarde de ontem a retirada das pessoas da praia Ponta Aguda. Uma escuna ajudou na remoção de 15 turistas e outros 7 se arriscaram saindo com o auxílio de um jipe. Apenas uma mulher preferiu permanecer na praia.
Os carros tiveram que ser puxados pelo jipe durante o percurso de 4 quilômetros. Para chegar ao local, é necessária uma caminhada de uma hora pela estrada escorregadia.
A dona-de-casa Marli Coentro dos Santos, 41 anos, de Bertioga (SP), disse que ficou preocupada quando soube dos problemas da estrada. "A idéia era ir embora na terça-feira. A sorte é que um amigo que tem jipe veio ajudar", disse.
A assistente financeira Jane Yanga, 45 anos, de Jundiaí (SP) preferiu ficar acampada na praia até melhorar o tempo.
A Defesa Civil calcula que 50 pessoas ficaram ilhadas desde o feriado de Carnaval. (Fonte: ValeParaibano)

Desfiles de Blocos animaram as cidades do litoral durante o carnaval

Litoral Norte - Entre as inúmeras atrações oferecidas durante o carnaval em todo o Litoral Norte, os desfiles dos blocos carnavalescos tiveram destaque por reunir e animar milhares de turistas e moradores na região.
No sábado, em São Sebastião, houve o desfile do Bloco dos Sujos, como de costume, que tem como principal característica, a presença de homens vestidos de mulher. Este ano, por volta das 22h30 centenas de pessoas passaram na avenida com muita animação. O bloco fez a abertura dos desfiles no sambódromo da Rua da Praia.
Os blocos carnavalescos voltaram com tudo para a avenida na segunda feira. Na ocasião, quatro blocos reuniram milhares de pessoas durante o desfile, que começou com um pouco de atraso devido à chuva. Mas esse quesito não atrapalhou que cerca de 7 mil pessoas assistissem à apresentação dos grupos.
O primeiro a desfilar foi o bloco BO 171, da Topolândia, que participa pela primeira vez do carnaval da cidade. Outro bloco iniciante que também teve destaque foi o do Cardim, que contou com aproximadamente 800 fo-liões. Utilizando abadás e balões coloridos, os integrantes mostraram muito entusiasmo durante o desfile, puxando as pessoas da arquibancada para caírem no samba enquanto passavam.
Política e folia: Bloco do Cardim, organizado pelo secretário de turismo e vereador licenciado José Cardim de Souza, reuniu centenas de pessoas
A terceira idade também teve sua vez na avenida. A-liás, o bloco composto pelo grupo da terceira idade já virou tradição no carnaval sebastianense e provou mais uma vez que a folia é para ser curtida por todas as idades.
O X-9, da Enseada, foi outro bloco que novamente marcou presença no sambódromo. O grupo, formado por foliões da Costa Norte da cidade, desfilou com mais de 400 pessoas e muitas fantasias. A equipe de carnavalescos do X-9 foi a responsável pela criação do enredo e figurino da escola Ki-Fogo e pretendem virar uma escola de samba futuramente. Ele foi criado há mais de dez anos em Caraguatatuba, e com a mudança dos fundadores para São Sebastião, passou a integrar o carnaval da cidade.
Os moradores e turistas da Costa Sul do município também puderam participar ou acompanhar um bloco carnavalesco bastante animado. No domingo, as 16h aconteceu o tradicional Banho da Dorotéia, em Boiçucanga.
De acordo com Ana Cristina Soares, da Soab (Sociedade Amigos de Boiçucanga), apesar da forte chuva no bairro, centenas de pessoas aderiram ao bloco e participaram do desfile. Para animar os foliões, um trio elétrico acompanhou todo o percurso, que começou na Praça da Alegria e terminou na praia. É característico desse bloco que os homens saiam vestidos de mulher e desta vez, os cinco destaques foram premiados com troféus, entregues pela Prefeitura Municipal. Ana acredita que o saldo da apresentação foi bastante positivo.
Ela espera que o carnaval em Boiçucanga volte a crescer e ter destaque como acontecia no passado. No final do desfile, muitas pessoas tomaram banho de mar, como é de costume, mas algumas deixaram de fazer isso uma vez que já estavam molhadas o suficiente, em decorrência da chuva.
Caraguatatuba teve um desfile semelhante ao bloco dos sujos em São Sebastião. Trata-se do Bloco das Piranhas, no qual centenas de homens participaram travestidos. Esse foi o 28º ano em que o Bloco das Piranhas participa do carnaval da cidade. Marchinhas, frevo e samba marcaram o desfile do grupo, que teve inicio na Ponte Santo Antonio.
O bloco do Urso, que foi criado no ano passado, saiu do Indaiá no domingo à noite e também levou muitos foliões para a avenida. Cerca de duzentas pessoas integram o grupo, que lançou seu enredo este ano.
Já o bloco Devotos da Cheirosa animou todas as noites de carnaval. O encerramento da participação do grupo aconteceu ontem à noite. Os participantes se concentravam no Trevo do Massaguaçu e seguiam até o coreto da rua Maria Carlota. Na segunda-feira, a atração do desfile de rua foi o Bloco Tô Beleza, que teve sua estréia nesse carnaval.
Em relação aos bloco carnavalescos, Ilhabela possui um diferencial das outras cidades do litoral, que é o fato de ter jurados para avaliar os desfiles. De acordo com Gislene Alves Rodrigues, da Comissão de Carnaval da cidade, a idéia é fazer com que surjam novas escolas de samba e por isso existe um regulamento para a participação dos blocos.
Uma das exigências é que parte dos integrantes precisam estar fantasiados para o desfile. “A intenção da comissão é fazer com que os grupos cresçam, se organizem para melhorarem a cada ano. Assim é possível ter novas escolas de samba e também dar abertura para novos blocos”.
No sábado, desfilaram os blocos “Banda das Bonitas, Azul e Branco e Unidos da Folia”. A chuva não atrapalhou a atração, que reuniu milhares de pessoas no Centro da cidade. No Banda das Bonitas, os homens se vestiam de mulher e falavam da importância do uso da camisinha. O grupo não obteve bons resultados porque acabou recebendo uma penalidade por não levar o mínimo de 80 pessoas para a avenida.
O bloco Recreativos do Morro, que também desfilou no sábado, ficou com o segundo lugar, com 46,6 pontos.
O banho da Dorotéia em Ilhabela este ano reuniu quatro blocos: “Pé na jaca, Os velhos marinheiros, Água viva e Bloco do piche”. Muitas pessoas acompanharam o trajeto, que foi encerrado com um mergulho na praia, no píer da Vila. O bloco vencedor, nessa categoria, foi o Pé na jaca. (Fonte: Imprensa Livre)

Notícias de Caraguatatuba Topo

Caraguatudo Albatroz Pousada

Carnaval de Antigamente sacudiu a chuva e fez folião cair na folia

Foto: Adriana CoutinhoCaraguatatuba - Confetes. Serpentinas. Fantasias. Muita alegria e famílias inteiras brincando juntas a festa máxima brasileira. Assim foi o “Carnaval de Antigamente” realizado pela Fundacc na Praça Cândido Motta, ao som das tradicionais marchinhas que fizerem os 10 mil foliões que se concentraram na praça nos quatro dias de carnaval, suarem a camisa e festejarem a folia de Momo.
A participação dos blocos foi muito marcante, com o já consagrado Máscara Negra e o novo, Palhaços da Alegria, assim como inúmeros foliões que tiraram suas fantasias dos armários e mandaram ver nos brilhos e máscaras.
Com um infra-estrutura pensada para melhor atender às necessidades dos foliões, a Fundacc instalou uma praça de alimentação, banheiros químicos e manteve as grandes tendas de cobertura, proporcionando aos foliões comodidade para brincarem o carnaval num dos únicos locais cobertos na área central da cidade, transformando a praça num grande salão,como nos clubes, que enfeitado com as máscaras e adereços produzidos nas oficinas de empapelamento, deram um toque original à decoração.
Neste ano, a Fundacc fez uma intensa campanha através de faixas contra a espuma que foi introduzida em nosso carnaval e que tanto incomoda as pessoas. Nas imediações do “salão” foi terminantemente proibido o uso da espuma, e aqueles que a utilizaram, foram retirados pela equipe de apoio da Fundaccc e pela Polícia Militar, que esteve de prontidão para atender às solicitações.
E vieram foliões de cidades vizinhas e distantes, que em grupos inteiros formados por familiares ou amigos, divertiram-se ao som da New Band, que animou os quatro bailes e também a matinê no domingo à tarde, levando para a praça um cordão de baixinhos animados e fantasiados. O concurso de fantasias infantis foi muito concorrido, com 70 inscrições, elegendo o pequeno Palhaço, Caio Soucialle, e A Branca de Neve, Bianca Torres, ambos de São Paulo.
Na categoria adulto, o bloco mais animado foi “Palhaços da Alegria”, melhor fantasia adulto foi “Passista”, melhor fantasia feminina “Gueixa”, folião mais animado, Valter Cão.
Nos bairros do Porto Novo e Perequê-Mirim, também aconteceu o Carnaval de Antigamente, animado pelas bandas Família Conceição e Swing Brasil, que ao som das marchinhas fez a multidão sacudir a chuva e cair na folia. (Fonte: Fundacc)

Fundacc abre inscrições para Educação Continuada da 3ª Idade

Caraguatatuba - A Fundacc – Fundação Educacional e Cultural de Caraguatatuba está com inscrições abertas para a Educação Continuada da 3ª Idade até o dia cinco de março de 2004 no Ceprolin – Centro de Educação Profissional do Litoral Norte, no período das 14h30 às 17h30.
Caraguatatuba foi pioneira nessa área, e há 10 anos implantou o primeiro curso do gênero no Litoral Norte para atender seus idosos. Não é necessário fazer provas para ingressar na Faculdade da Terceira Idade, ou prestar vestibular, nem apresentar diplomas de conclusão de 1º ou 2º graus. Ao longo do curso não há provas ou trabalhos obrigatórios – “É tudo baseado na pedagogia do prazer. Nesta fase da vida, nada de imposição. São muitas as ofertas de cursos voltados para a terceira idade. Os idosos não se vêem mais sem essas atividades e programas voltados a eles, um segmento da população que mais cresce em nosso país” - comenta Cristina Daniel, coordenadora do curso. O curso é gratuito e as aulas acontecerão no Ceprolin, na Av. Rio Grande do Norte, 450, no Indaiá. Mais informações pelo telefone 3888-3888.
Em dezembro de 2003, a Educação Continuada da 3ª Idade da Fundacc encerrou o ano com 82 alunos, mantido pela Fundacc – Fundação Educacional e Cultural de Caraguatatuba em convênio com a Secretaria de Assistência Sócia, dirigidos pela psicóloga Cristina Daniel. Até 2003, o curso acontecia na Oficina Cultural do Centro, passando este ano para o Ceprolin.
Mais informações ou solicitação de fotos entrar em contato pelos telefones (12) 3883 3727/3883 3737 ou 91419143. (Fonte: Fundacc)

Câmara aprova maioria de sua pauta
Extraordinária apenas adiou um Projeto e rejeitou um Requerimento

Caraguatatuba - A Câmara Municipal de Caraguatatuba realizou na última sexta-feira, dia 19 de fevereiro, a sua 2ª Sessão Extraordinária do ano. Na Ordem do Dia apenas 6 projetos e Requerimentos. A aprovação foi de 90% e serviu para suprir a demanda com a falta da Sessão Ordinária de 24 de fevereiro, feriado de Carnaval.
Na pauta de discussões 2 Projetos do Executivo e 4 de autoria dos Vereadores. Pelo Executivo Veto Parcial sobre o Orçamento Municipal, quanto a fixação da atualização monetarial aos Agentes Políticos – Prefeito, Vice e Secretários Municipais, na ordem de 25%. O Veto foi mantido.
Outro projeto do Executivo autoriza a concessão de benefícios aos moradores de área de risco, que ganhariam residências em locais mais seguros. O projeto foi adiado por 1 sessão a pedido do líder do prefeito na Câmara, Vereador Anderson Bertoncini – Pastor Anderson (PL).
Do Vereador Juarez Pereira Pardim (PPS), foram aprovadas 2 proposituras, ambas denominação de nome de rua. A primeira denominando Apolônia Silva Santos a atual rua Projetada D, no bairro Perequê-Mirim e denominando Benjamim Arantes Silva.
Júnior a atual avenida Um, no bairro do Travessão, ambas na zona sul da cidade. Os projetos foram aprovados.
Do Vereador Aurimar Mansano (PTB), foi aprovada propositura que institui o Ingresso Master no município, destinado para os membros da Terceira Idade. O projeto foi acrescido de uma emenda, de autoria do Vereador Juarez Pereira Pardim (PPS), que beneficia também os Deficientes Físicos. O projeto foi aprovado.
Finalizando, projeto do Vereador Anderson Bertoncini – Pastor Anderson (PL), cria o Centro de Apoio a Gestante na cidade. Esta propositura foi aprovada.
Antes dos projetos foram discutidos e votados 10 Requerimentos, sendo que deles, 9 foram aprovados e apenas um rejeitado. (Fonte: Câmara Municipal de Caraguatatuba)

Notícias de Ilhabela Topo

Vulcano Sailing Shop

“Situação em Castelhanos está sob controle”, afirma prefeito
Hoje prefeitura, Parque Estadual, Defesa Civil, empreiteira do DER e jipeiros vão a Castelhanos

Foto cedida por Reynaldo A. Lins Ilhabela - O prefeito de Ilhabela, Manoel Marcos, afirmou ontem que a situação na Estrada de Castelhanos está sob controle. Não há mais carros atolados na via. Várias pessoas já deixaram o local, há alguns carros ainda na praia e outras pessoas que aguardam a estrada ficar em melhor condição. Até à tarde de ontem, havia três famílias na praia, duas delas deixando a área ontem, de embarcação. A idéia era deixar os veículos na praia.
Ontem, o prefeito se reuniu com jipeiros e com a Defesa Civil a fim de discutir a necessidade de melhorias na estrada. Manoel Marcos explica que só pode viabilizar este trabalho com licença ambiental do Instituto Florestal. Ontem, o assunto seria mais discutido com a direção do Parque Estadual. A Estrada de Castelhanos, interditada na segunda-feira, continua proibida para acesso de veículos. O trânsito somente pode ser feito a pé ou a cavalo.
Ontem, a jornalista Leninha Viana, do Imprensa Livre, se dirigiu à estrada e à praia de Castelhanos a cavalo. Segundo Leninha, há três pontos mais críticos na estrada, o pior deles denominado Morros das Canas, a nove quilômetros da praia. Três famílias, até ontem, continuavam na praia à espera de resgate.
Há relatos de que pessoas ficaram feridas ou sofreram mal estar, mas o prefeito afirma que não procedem. “A única informação que recebi é de que uma pessoa na estrada estaria com sintomas de hipotermia, mas não foi confirmado por equipe do helicóptero Água que este no local”.
O prefeito afirma que, na madrugada de domingo, ao ser comunicado sobre a condição da estrada, encaminhou uma máquina, mas o equipamento não conseguiu operar por impossibilidade de acesso. A Defesa Civil do município, com ajuda de jipeiros, conseguiu, na madrugada de domingo, retirar 15 carros que estavam atolados. “A Defesa Civil agiu com ajuda de jipeiros”, confirma o prefeito.
Hoje, a partir das 7h30, membros da Defesa Civil, de secretarias municipais e da direção do Parque Estadual e representantes de empreiteira do DER (Departamento de Estradas de Rodagem) seguem juntos rumo à Estrada e Praia de Castelhanos para demais providências. Segundo Klaus Bruder, presidente da Coordenaria Municipal de Defesa Civil, há cerca de oito carros ainda na praia.
Grupo de estudantes seguia para a praia de Castelhanos a pé, ontem pela manhã - Foto: Leninha VianaBruder afirma que um barco da empresa Oceano Tur prestou importante auxílio, resgatando 50 pessoas da praia de Castelhanos. “Duas escunas tiraram cerca de 100 pessoas; as demais quiseram permanecer por opção”.
O prefeito evidencia que manteve dois fiscais na guarita da Estrada de Castelhanos a fim de alertar os visitantes sobre os riscos de acesso. A direção do Parque emitiu termo de responsabilidade, que deveria ser assinado pelos que insistissem em ter acesso. Ontem, o Imprensa Livre apurou que alguns turistas não assinaram o documento porque não havia ninguém na guarita por volta da meia-noite de sábado, quando chegaram ao local. Estes turistas, de São Paulo, não quiseram se identificar.

Polícia Militar - O tenente André Luiz Paes, comandante do Pelotão da Polícia Militar em Ilhabela, afirma que por volta de meio-dia de terça-feira recebeu comunicado do secretário municipal de Turismo, Ricardo Fazzini. “Ele disse que havia pessoas isoladas na praia de Castelhanos e informações ainda não confirmadas davam contam que duas delas estavam com sintomas de hipotermia”.
Paes afirma que o helicóptero “Águia 7”, da corporação, foi acionado. “A comunicação na estrada era impossível; um policial desceu de rapel, não encontramos pessoas feridas ou sofrendo mal estar; uma pessoa teria passado mal e sido removida por particulares, na segunda-feira”.
O tenente conta que na terça-feira havia cerca de 20 a 30 pessoas na praia, além de uma família, composta por seis a oito pessoas, incluindo um bebê. “A família queria deixar a praia e as demais quiseram permanecer até que a estrada ficasse em melhores condições. Quem quis voltar foi transportado de escuna, embarcação que solicitamos e a prefeitura agilizou”.
Para o tenente, implica total irresponsabilidade o fato de pessoas entrarem na estrada sem condições seguras, principalmente com crianças. O mesmo já havia declarado o prefeito Manoel Marcos, em entrevista publicada ontem.

Advogado critica Defesa Civil - O advogado Henrique Marcello da Silva, residente em São Paulo, afirma que esteve em Ilhabela, no último final de semana. “Sou advogado, amante e praticante de off-road, além de voluntário da Defesa Civil em São Paulo, matrícula 125V-152”, ele relata.
“Gostaria de destacar meu repúdio à entrevista concedida pelo senhor Klaus Bruder”, completa Silva, se referindo a declarações feitas pelo presidente da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil, publicadas ontem pelo Imprensa Livre.
Silva declara que um amigo seu ficou preso na Estrada de Castelhanos por 30 horas. “Já eram 22 horas de segunda-feira, quando fui procurado pela namorada do meu amigo, informando sobre o caos que estava a estrada”. Ele afirma que se dirigiu à entrada da estrada, onde se encontrou com quatro funcionários do parque, o pai de um dos proprietários de veículos que estava preso e alguns jipeiros locais.
“Logo que cheguei, a indignação com a Defesa Civil tomava conta de todos; o senhor Klaus compareceu à entrada do parque, durante o dia (segunda-feira), única e exclusivamente para interditar a trilha”, relata Silva.
“Mente o senhor Klaus ao afirmar que motoqueiros levaram alimentos e água para o pessoal que estava preso, ao dizer que as pessoas não queriam abandonar seus carros e seguir rumo à portaria.
Eu mesmo trouxe cinco pessoas no meu jipe, todas com princípio de hipotermia, exaustas, com fome e sede. Um vestia somente uma sunga, com aquela chuva e frio”, o advogado relata.
Ontem, por telefone, ele estimou que somente uma pessoa teria ficado na estrada, fiscalizando seu carro.
Silva afirma que telefonou para Klaus, informando que a diretora do parque havia liberado um veículo Land Rover para levar alimentos e resgatar pessoas. “Também informei que meu jipe tinha total condições de chegar ao local mais crítico e o que ele fez foi desligar o telefone na minha cara”. Segundo Silva, a única pessoa que estava no local, e já dirigia há 30 horas, era um funcionário do parque que, exausto, não pôde lhe acompanhar na estrada.
“Entrei no parque às 23h45 de segunda-feira, só com o meu carro, sem o auxílio primordial da Defesa Civil, que negligenciou ajuda, na pessoa do senhor Klaus”, afirma Silva. “Fomos em seis pessoas no meu carro, incluindo o pai de um dos rapazes que estava preso e percebi que somente os jipeiros locais estavam prestando socorro”.
Silva afirma que, no caminho encontrou “uma Toyota que faz passeios até Castelhanos, trazendo o filho do senhor que estava em seu jipe”.
Conforme Silva, o filho, jovem adulto, estava com o pé cortado, infeccionado e com muita febre. “Enquanto isso o senhor Klaus estava assistindo o carnaval na Globo, para no dia seguinte vir prestar entrevista posando de herói; fica aqui registrado meu repúdio a atuação do Sr. Klaus no incidente, que pelo visto só sabe aparecer diante dos holofotes e flashes. Está mais para ator de Celebridade”, acusou.
Silva declara que comunicou o caso à Polícia Militar, em São Paulo, e que um tenente informou que ligaria para o Klaus a fim de pedir esclarecimentos sobre a eventual negligência. O advogado afirma que, quando esteve na estrada de Castelhanos, não havia nenhuma autoridade de órgãos públicos, apenas jipeiros, os carros e as pessoas que precisavam ser resgatadas.

Klaus Brunder nega acusações - O presidente da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil, Klaus Bruder, nega todas as acusações do advogado Henrique Marcello da Silva. “A Defesa Civil atuou e continua atuado, muita gente ajudou, incluindo jipeiros, representantes de secretarias municipais; a Defesa Civil envolve apoio de outros setores. Não estando todos de camiseta e bonés, não poderiam ser identificados”.
Klaus agradece muito aos jipeiros, funcionários do Parque Estadual e setores da iniciativa privada. Ele confirma que recebeu telefonema do advogado Silva. “Ele me destratou, me xingou”.
Conforme Klaus, não foi encontrada nenhuma pessoa ferida ou com mal estar. “Na madrugada de domingo, o diretor municipal de Saúde, Márcio Tenório, compareceu a locais críticos da estrada e não viu ninguém com problemas de saúde”.
Segundo Klaus, o diretor de Transporte, José Fandango, também compareceu à estrada. “Foi levada uma máquina para melhorar o trajeto, mas não foi possível esta operação, em razão dos riscos; uma viatura da Polícia Militar também chegou próximo ao ponto mais crítico, depois do cume da estrada”. A prefeitura entrou em contato com a Polícia Militar a fim de pedir auxílio do helicóptero Águia.
A aeronave foi acionada. Klaus também confirma que motoqueiros levaram alimentos, mas para pessoal específico que estava acampado na praia. (Fonte: Imprensa Livre)

Ilhados contam pânico vivido na estrada de Castelhanos

Turistas do Paraná e Santos vendiam mantimentos e cerveja para juntar dinheiro e pagar um barco - Fotos: Leninha VianaIlhabela - Pelo menos três famílias ainda aguardam uma solução para o dilema de Castelhanos. A estrada de modo geral está em boas condições. Apenas três trechos críticos impossibilitam chegar à praia de carro.
Turistas de São Paulo contam que dormiram duas noites no “atoleiro”. Eles tentavam ir embora, mas não tiveram sucesso. Retornando à praia o grupo afirma que só sairá quando a estrada tiver condições de ser transitada. “Não queremos deixar os veí-culos, como fez a maioria das pessoas que já saiu de Castelhanos”, diz o grupo.
Outras famílias, de Santos e do Paraná, na tarde de ontem se preparavam para deixar a praia. Para conseguir alugar um barco, vendiam cerveja e outros mantimentos a R$ 50 centavos.
Segundo as famílias e os moradores, o helicóptero da Policia Militar esteve na praia e orientou a todos, pedindo paciência, pois a prefeitura mandaria uma escuna para resgatá-los gratuitamente. Entretanto, até às 21h da última quarta-feira, a embarcação não apareceu.
“As escunas das agências vinham buscar seus agenciados e ofereciam carona, mas quem quisesse ir tinha que pagar”, diz a moradora Gilda Camargo.
Para enfrentar a estrada, somente a cavalo ou a péA esteticista de Santos, Ivete Santo Santi, é uma das pessoas que foram trazidas pela escuna do Espaço Ecológico da praia de Castelhanos. Ela diz que passou por momentos de pânico durante o feriado, já que a praia ficou isolada por causa da chuva. Ivete acredita que as péssimas condições da estrada são um desrespeito com o turista e os próprios moradores da comunidade. Na última segunda-feira a estrada foi interditada pela Defesa Civil.
A esteticista diz que a falta de infra-estrutura na estrada é visível para todos. “Os carros passam por dentro da cachoeira do quilombo e continuam até o rio do poço fundo, que hoje se tornou um poço de água podre e fétida. Por conseqüência disso, por mais que a praia seja bela, muitas pessoas deixaram de ir lá”, diz.
Ivete ainda relata que a espera pela escuna, que trouxe o grupo de turistas, pareceu interminável até a chegada da embarcação. Segundo ela, para entrar no barco teve de pagar R$ 25.
Instruções e Monopólio - De acordo com a moradora, a falta de divulgação adequada sobre os riscos da estrada em dias de chuva é a principal responsável pelo problema.
“Não existe uma tática adequada de divulgação na entrada para a estrada. Os jipeiros não consultam os guichês de informações turísticas do centro e passam direto, pois dizem que já conhecem o local e cobram o preço que acham justo”.Afirmou ainda que existe monopólio entre os jipeiros que trafegam na estrada.Informações dão conta de que, os jipeiros chegam a cobrar preços que variam de R$ 250 a R$ 400 para resgatar um carro atolado na estrada.
Outro que tentou escapar dos jipeiros e ficou atolado na estrada foi o estudante de engenharia ambiental Leonardo Augusto. Ele diz que a moto de um amigo atolou, mas que não esperaram o resgate e venceram a barreira e conseguiram chegar até a praia. (Fonte: Imprensa Livre)


Câmara aprova CEI para apurar serviço prestado no governo Nilce

Ilhabela - Os vereadores aprovaram por unanimidade o requerimento 042/2004, de autoria do vereador Walter Duarte de Souza (foto), que pede a instauração da Comissão Especial de Inquérito para apurar os serviços prestados pelos servidores públicos municipais da rede de ensino em HTPC (Horas Atividades Livres e Pedagógicas Coletivas) relativas ao ano de 1998 a 2000.
A Comissão será presidida pelo vereador Walter Duarte de Souza e composta pelos vereadores Rogério Ribeiro de Sá, o prof. Catolé, Almir Mariano, Nanci Peres de Araújo Zanato e Maria das Graças Ferreira dos Santos Souza.
Na justificativa, o vereador Irmão Walter lembra a audiência pública realizada em 26 de junho de 2002, atendendo um pedido dos professores da rede pública municipal de ensino, para o recebimento de verbas salariais decorrentes de horas trabalhadas para a municipalidade e não pagas.
Na ocasião, os vereadores aprovaram o projeto de Lei 52/2002, que se transformou na Lei Municipal 135/2002, autorizando a atual administração a efetuar pagamentos salariais referentes aos serviços prestados de HTPC aos professores e não pagas em época própria, ou seja. na administração da ex-prefeita Nilce Signorini.
“Apesar da autorização, a situação não se definiu e tem sido motivo de reivindicações dos professores que se sentem prejudicados, razão pela qual apresentamos este requerimento para apurar quais foram os serviços prestados de fato e quais os direitos de cada trabalhador”, explica o vereador Irmão Walter.
O requerimento foi apresentado na sessão do dia 9 de fevereiro, mas o vereador José Garcia de Souza pediu discussão adiando a votação para a sessão seguinte. “Com isto houve um atraso no andamento dos trabalhos em 16 dias”, argumentou o vereador Irmão Walter.
Na tribuna, o vereador Garcia disse que pediu discussão para explicar sua linha de pensamento. “A Comissão abrirá uma porta de esperança para os professores nesta luta que se arrasta a mais de quatro anos.
Uma CEI não irá solucionar os problemas dos professores, só será perda de tempo e mais gasto do dinheiro público”. Ele ainda quis saber se o vereador Irmão Walter havia consultado o sindicato, os professores, Recursos Humanos ou até mesmo o Secretário da Educação.
“A Câmara não tem autonomia ou recurso para pedir o pagamento para os professores”, disse Garcia. Ele finalizou fazendo uma pergunta aos vereadores: “Qual será a posição dos vereadores, caso a comissão não resolva o problema, quanto ao pagamento dos professores?”
O vereador Irmão Walter disse que pretende que a CEI seja rápida, no máximo, 30 dias, e tem o objetivo de chamar as pessoas envolvidas e demonstrar através do relatório que os professores trabalharam. Irmão Walter criticou o vereador Garcia dizendo que nenhuma comissão pergunta aos órgãos se podem investigar.
O vereador Rogério Ribeiro de Sá disse que votou a favor, mas duvida que a Comissão possa agilizar o pagamento dos professores. “Não existe vontade política”, enfatizou. A opinião compartilhada pelo vereador Jadiel Vieira e pela vereadora Dra Rita Janete de Oliveira Gomes. “Não tenho grandes esperanças. Nestes anos não houve vontade política de pagar os professores”, disse a vereadora.
Já o vereador Luiz Lobo afirma que quem já esperou estes quatro anos pode esperar mais 45 dias para a conclusão da CEI e que conversou com o prefeito Manoel Marcos e este afirma que quer ajudar a solucionar o problema dos professores. O vereador Carlos Alberto de Oliveira Pinto também da base de sustentação do prefeito, explicou que também esteve com o prefeito, e ele confirmou a intenção da atual administração de ajudar os professores. Carlinhos ainda disse que a comissão irá dar amparo legal ao pagamento. “Sou democrata. Não seria justo que fizéssemos algo que não seja de interesse dos professores”, esclareceu.
O presidente da Câmara de Ilhabela, José Donizette da Silva, apesar de ter votado favorável a instauração da CEI, acha que a comissão não seria necessária já que existe a Lei 135/02 que autoriza o pagamento aos servidores.
A presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (SINDSEV), Aurea-nanda Fernandes Clemente, afirma que houve descum-primento da Lei Federal, Estadual e Municipal e frisa que a CEI está sendo apoiada pelo sindicato para ajudar a solucionar o problema dos professores. “Não sei por que a ex-prefeita descumpriu a lei, mas não queremos que esta comissão se torne política”, enfatizou. (Fonte: Imprensa Livre)

Fecha-Bar Vetado

Ilhabela - A Câmara de Ilhabela praticamente sepultou, na noite da última quarta-feira, o projeto da vereadora Maria das Graças Ferreira Souza (PSDB) que estabelecia o fechamento dos bares em bairros do município a partir das 23h, de domingo a sexta-feira, e à 1h, aos sábados. Os vereadores mantiveram o veto do prefeito Manoel Marcos (PTB) aos artigos da proposta originariamente aprovada pela Câmara e que discriminavam os horários e os bairros afetados pelo "fecha-bar". Na prática, a medida deixa de ter qualquer efeito prático. (Fonte: ValeParaibano)

Notícias de São Sebastião Topo

Nautica Superchic

Petróleo atinge praia de Guaecá, que continua imprópria para banho
Estimativa preliminar de petróleo vazado aumenta para 236 mil litros, segundo a Cetesb

São Sebastião - A praia de Guaecá foi atingida pelo petróleo no último domingo, por volta das 18h, segundo informa a Cetesb (Companhia Estadual de Tecnologia e Saneamento Ambiental). São os resíduos da Transpetro, subsidiária da Petrobras, derramados por causa de rompimento de oleoduto, na quarta-feira, 18, no Rio Guaecá. Este oleoduto liga o Tebar (Terminal Marítimo Almirante Barroso), em São Sebastião, à Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão.
De acordo com a Cetesb, a praia foi atingida após a intensa chuva que rompeu algumas das 20 barreiras de contenção e absorção, instaladas para recolher o petróleo no rio.
Técnicos da Cetesb estimam que já foram recolhidos cerca de 235 metros cúbicos de óleo, ou seja, 235 mil litros, nas águas e nas margens do Rio Guaecá, num trecho de quase oito quilômetros, afetando inclusive áreas do Parque Estadual de São Sebastião.
Na segunda-feira, técnicos do Setor de Operações de Emergência e da Cetesb e da Petrobras realizaram, às 6h, um sobrevôo pela região e constataram a existência de óleo apenas na zona de arrebentação da Praia de Guaecá. Nenhuma outra praia havia sido contaminada e o Canal de São Sebastião estava absolutamente limpo.
Desde o começo da manhã de segunda-feira, a equipe técnica da Cetesb passou a efetuar o monitoramento por terra, para verificar a possível ocorrência de contaminação de praias vizinhas às areias de Guaecá.
Com o objetivo de agilizar os trabalhos de limpeza no local e eventual exposição dos banhistas ao óleo derramado, a Cetesb solicitou à Petrobras todos os cuidados necessários à salvaguarda da população, incluindo-se a interdição temporária da praia de Guaecá.
As equipes técnicas da Cetesb e da Petrobras, que trabalham na contenção e na retirada do produto vazado, vêm procedendo à reconstrução de novos diques, com registros, para controlar a vazão.
Os trabalhos de limpeza da vegetação contaminada e a remoção do material absorvente nos pequenos empoçamentos existentes, assim como a lavagem de pedras impregnadas com petróleo, devem prosseguir por pelo menos mais três dias.
Na manhã de terça-feira, havia muitos banhistas ao longo da praia do Guaecá. Mas a maior parte estava concentrada fora da área em frente trecho do rio que deságua na praia. Neste dia, a bandeira da Cetesb indicava praia poluída para banhos, mas muitas pessoas se banhavam, entre crianças e adultos, além de surfistas.
Na ocasião, ainda era possível observar pequena quantidade de óleo à beira do mar e em maior quantidade no trecho final do rio que deságua na praia. Funcionários da Transpetro e pessoal contratado recolhiam o óleo. A imagem da praia proibida por conta do derrame de petróleo, o aparato para recolhimento do poluente e os funcionários da Petrobras andando pela areia da praia compunham o cenário, onde banhistas - turistas e moradores de São Sebastião - tentavam aproveitar a trégua da chuva. Preventivamente, a Cetesb mantém esta praia como imprópria para balneabilidade.
O diretor de Meio Ambiente da Prefeitura de São Sebastião, Nivaldo Simões, afirma que irá apresentar imagens e relatório sobre o derramamento de petróleo ao Comdurb (Conselho de Meio Ambiente e Urbanimo), hoje. Ele quer discutir com os conselheiros a possibilidade de ingressar ação judicial contra a Transpetro e Petrobras. “Duas pessoas confirmam que viram óleo na praia do Guaecá às 6h de quarta-feira, uma delas também confirma que comunicou o fato à Transpetro, que só começou a agir por volta das 10h”, o diretor declara. A reunião do Comdurb será realizada a partir das 18h, na Videoteca Municipal e é aberta a todos os interessados. (Fonte: Imprensa Livre)

Comdurb convocará Petrobras para esclarecer acidente em Guaecá

São Sebastião - O Conselho Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo vai convocar a Petrobras para uma reunião, que deverá acontecer em 15 dias, a fim de que a empresa esclareça o acidente ocorrido com o oleoduto na semana passada em Guaecá.
Segundo o presidente do conselho, José Teixeira Filho, a idéia é que os representantes da empresa apresentem o que ocorreu no acidente e quais as medidas que vem utilizando para reverter isso e evitar novos incidentes.
Em virtude do acidente, a reunião realizada ontem, na Videoteca Municipal, se concentrou em discutir o problema causado ao meio ambiente devido ao vazamento de óleo. Por esse motivo, a pauta, que tratava da discussão para criar normas destinadas a licenciamento ambiental de garagens náuticas, foi adiada para a próxima reunião.
A decisão de convocar a Petrobras partiu do acordo entre os conselheiros, após o presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Luiz Tadeu de Oliveira Prado, também membro do Comdurb, sugerir que o conselho pedisse a revogação da licença expedida no final do ano passado pela Prefeitura ao Tebar. Esse pedido foi rejeitado por nove votos a três, optando-se por realizar reunião para que a empresa se manifeste.
Segundo Luiz Tadeu, a Petrobras vem mostrando muita falta de segurança nos serviços executados e por isso poderia perder a licença.
Ele comentou que a empresa deveria apresentar relatórios tanto do acidente ocorrido em Guaecá, como do pedido que a OAB fez em 2001, para que apresentasse relatórios sobre a situação de todos os oleodutos da cidade. De acordo com ele, até hoje não houve nenhum retorno sobre tais pedidos.
Teo Balieiro, presidente da Federação Pró Costa Atlântica, afirma que no último mês aconteceram quatro acidentes envolvendo vazamento de óleo, o que é algo preocupante. Outra questão apontada durante a reunião é a falta de preparo das equipes para atuar em determinados tipos de acidente. “No caso de Guaecá, não havia pessoal preparado para atuar numa região como a atingida pelo vazamento”, completou o conselheiro Nivaldo Simões.
Para Edson Marques Lobato, diretor do Parque Estadual de São Sebastião, é necessário que a Petrobras dê mais atenção a essas áreas e evite novos acidentes. (Fonte: Imprensa Livre)

Petrobras confirma volume de óleo divulgado pela Cetesb

São Sebastião - A Petrobras confirmou, ontem à tarde, a estimativa divulgada pela Cetesb (Companhia Estadual de Tecnologia e Saneamento Ambiental) de 236 mil litros de óleo derramado no rio Guaecá.
O acidente aconteceu no último dia 18, quando o oleoduto da Transpetro/Petrobras, que liga o Tebar (Terminal Marítimo Almirante Barroso), em São Sebastião, à Refinaria Presidente Bernardes, de Cubatão, apresentou uma fenda na solda de aproximadamente 10 centímetros.
Na tarde de ontem, operários contratados pela empresa ainda trabalhavam na limpeza das margens do rio. O serviço vem sendo acompanhado pela Cetesb.
Cerca de 600 pessoas chegaram a trabalhar na contenção do óleo nos primeiros dias após o vazamento. Com a chuva forte do último domingo, os diques construídos no leito do rio se romperam e o petróleo chegou ao mar.
Ainda na segunda-feira, a praia já estava limpa. Contudo, Guaecá continua imprópria para o banho de mar, segundo a Cetesb.
Tanto que a bandeira vermelha continua na praia. Alguns ambulantes reclamam de prejuízos causados pela situação. Apesar da restrição, na tarde de ontem, alguns turistas aproveitavam a praia do Guaecá. “O mar está limpo. Se existe óleo, é só perto do rio”, disse Paulo Roberto de Souza, de São Paulo.
A empresária Mariana Sampaio, também da capital, aproveitou para caminhar. “Não vou arriscar a entrar na água, até porque está frio, mas não vou perder o resto de folga sem ir à praia”, finalizou. A limpeza do rio Guaecá ainda não tem data para ser concluída. (Fonte: Imprensa Livre)

Prefeitura oferece curso de formação continuada a inspetores de alunos

São Sebastião - Termina hoje, dia 27, em São Sebastião, um Curso de Formação Continuada oferecido pela prefeitura, através da secretaria de Educação, a todos os 49 inspetores de alunos da rede municipal de ensino. O curso, que teve início ontem, dia 26, está sendo realizado na E.M. Prof. Dr. José Machado Rosa, no Centro, das 13h às 17h.
O curso surgiu da necessidade que os próprios diretores de escolas sentiram de que os inspetores, pessoas mais próximas aos alunos durante o intervalo de aulas, aprendessem a lidar melhor com crianças e adolescentes, além de saber como agir em diferentes situações. “Muitos inspetores já tinham instrução, passado por um concurso, mas outros não.A maioria, da Associação de Pais e Mestres (APM), foi contratada sem instrução, enfim, sem saber como lidar com os alunos”, disse a diretora do Departamento Regional de Ensino, Marina Leopoldino dos Santos.
Segundo ela, os diretores da maioria das escolas municipais da costa sul reivindicaram tal formação durante uma reunião realizada em dezembro do ano passado. “Quando retornei da reunião, conversei com a secretária de Educação, Irma Sanches Altamirano, que adorou a idéia e resolveu oferecer o curso para todas as escolas da rede”, disse. “Fizemos um convite a todos, ninguém foi obrigado a participar. Pelo fato de todos terem comparecido, pudemos sentir a real necessidade que eles têm de se reciclar, de aprender e, principalmente, de procurar melhorar seu trabalho”, continuou.
No dia 26, o tema abordado foi “Vivendo Valores na Educação”. Neste dia, a professora da rede, Rita de Cássia dos Santos, falou, através de dinâmicas e reflexões, sobre questões como respeito, amor, humildade, liberdade, enfim, sobre como se comportar em determinadas situações e lidar com funcionários, crianças, adolescentes e professores.
Hoje, o tema abordado será “Primeiros Socorros e Recreação – Ação Primordial na Educação” e “Recreação”. O chefe da Defesa Civil, Emerson Alonso, vai dar noções de primeiros socorros e orientar sobre como ajudar ou a quem pedir ajuda, por exemplo, no caso de uma criança ter um ataque epilético, uma convulsão febril, ou se machucar.
Em seguida, o Professor Hipólito Carvalho de Santana dará uma aula de “Recreação” e ensinará diversas formas de entretenimento, brincadeiras de roda e brincadeiras antigas, que podem ser trabalhadas no recreio ou quando um professor falta. “O inspetor terá o mínimo de conhecimento para poder trabalhar com as crianças, seja na sala de aula ou no pátio da escola”, disse Marina Leopoldino.
Caso o curso seja bem aceito pelos inspetores e pelas escolas, uma segunda etapa será realizada no mês de junho, para que o trabalho seja aprofundando. (Fonte: PMSS)

Notícias de Ubatuba Topo

Restaurante Solar das Águas Cantantes Setur Surf News

Máquina de limpeza de praias faz demonstração no Pereque Açu


Assista a demonstração da máquina de limpeza de praia:
           
Ubatuba - Nesta quinta-feira, 26 de fevereiro de 2004, na praia do Perequê Açu, foi feita uma demonstração do Trator Tirrenia 1003, uma máquina especialmente produzida para limpar praias. O trator operou em uma área de 600 m2, mostrando ser muito eficiente e manobrável.
Estiveram presentes diversas autoridades do município, avaliando a possibilidade do uso do equipamento em Ubatuba.
De concepção italiana, a máquina que é utilizada em diversos países da Europa Ásia e África, saiu-se bem, embora, a condição encharcada da areia não fosse favorável para o evento. Mesmo assim, as operações causaram boa impressão no público presente. A máquina é robusta, econômica e pode, por exemplo, deixar a Praia Grande limpa em quatro horas, consumindo quatro litros de óleo diesel por hora.
Impulsionada por um magnífico motor de três cilindros e, usando dispositivos hidráulicos, é uma máquina de baixa manutenção. Produzida pela empresa Tirrenia Srl, sediada na cidade de Livorno, na Itália, é representada no Brasil pela empresa Conti & Munari, de São José dos Campos. A idéia do fabricante é criar uma linha de montagem em Ubatuba e exportar a produção para a América Latina. Se isso for concretizado, abrirá a possibilidade da criação de novos empregos na cidade, sem impacto ambiental, uma vez que a montagem não produzirá poluição. (Fonte: Sidney Borges)

Itamambuca promove operação praia superlimpa

Ubatuba - Dezenas de pessoas participaram na segunda-feira, dia 23 de fevereiro, da Operação Praia Superlimpa, realizada em Itamambuca, por iniciativa da SAI (Sociedade Amigos de Itamambuca) e da Ação Ambiental Verão 2004, evento organizado pela ASSU, IPEMA SEMA e SAPA. Apesar da chuva, a operação foi um sucesso, pois foram retirados da praia 15 sacos de 100 litros de lixo. “Os fumantes devem achar que areia é cinzeiro, pois é impressionante a quantidade de filtro de cigarro que a gente encontra a cada passo”, comentou Aldhemar Freitas Filho, o Dema, presidente da SAI. O filtro de cigarro leva cerca de cinco anos para se decompor na natureza, e o que se espera do fumante é o mínimo de consciência. “Não custa nada separar as bitucas num saquinho, para depois jogás-las no lixo”, advertiu Dema.
Também foram coletados vários tipos de plástico, que além de degradar o visual, podem ser ingeridos por animais marinhos, provocando-lhes a morte. “Eu aprendi no Tamar que as tartarugas morrem porque comem plástico achando que é alimento”, explicou Isabela Barbosa, de 7 anos.
A ação realizada em Itamambuca mobilizou gente de todas as idades e contou com a colaboração dos funcionários da SAI, que já promovem a limpeza da praia no seu dia-a-dia. (Fonte: SAI)

Material de divulgação para a Feira da Alemanha de Turismo está pronto

Ubatuba - O material promocional sobre Ubatuba que será levado para a Feira de Berlim, na Alemanha, que será realizada em março está pronto. A confirmação foi feita ontem pelo Secretário de Turismo e presidente da Comtur (Companhia Municipal de Turismo), Sergio Alves Carvalho que se disse satisfeito com o resultado do trabalho que servirá para vender a cidade como destino turístico para o mundo inteiro. “Foi um pouco demorado, mas valeu a pena esperar, o resultado foi muito bom. Na verdade, nem eu esperava que ficasse tão bonito como o que foi feito. É um trabalho de muita qualidade e vai ser importantíssimo para a nossa proposta de disputar de igual para igual com outras cidades que trabalham o turismo de maneira profissional. Em poucos dias, todo esse material estará sendo disponibilizado para os que quiserem adiquirir”, disse.
As peças publicitárias são folders, cartazes, fitas de vídeo, CD-ROM e DVDs, todos partindo da proposta de mostrar que Ubatuba é um município pelo qual “é natural se apaixonar”.
A participação na feira de Berlim é o início de um trabalho que tem o objetivo de tornar Ubatuba como uma cidade conhecida no Brasil e no exterior como destino turístico ideal para quem quer aliar lazer a qualidade de vida. Aliada à participação neste evento está o “Ubatuba Road Show” que começará em abril, como a realização de work shops em várias cidades do país mostrando as belezas naturais que podem ser encontradas na cidade.
Além disso, está sendo realizado um trabalho de planejamento turístico que parte de um novo conceito: o SLOT (Sistema Local de Oferta Turística). A proposta tem a finalidade de promover a articulação otimizada dos recursos turísticos já existentes no chamado território e das possibilidades de recursos que ainda podem ser criados.
Para a aplicação dessa proposta, é preciso uma análise de território, feita por meio de um mapeamento completo dos recursos turísticos de toda a cidade. É a partir deste trabalho que será desenvolvido o SLOT, que terá a responsabilidade de estabelecer bases que dêem sustentação e continuidade ao trabalho turístico.
Esse mapeamento já está sendo realizado por meio de uma pesquisa minuciosa que vai traçar o perfil fiel do turista que freqüenta Ubatuba, suas ações, seus comportamentos, sua origem e seus objetivos enquanto visitante. “Essa radiografia total permitirá a implantação de ações efetivas que resultem em aumento do fluxo turístico da cidade. A participação na feira de Berlim, o “Ubatuba Road Show”, a implantação do “SLOT”, a pesquisa, tudo isso faz parte de um trabalho muito sério que estamos desenvolvendo. Estamos tratando e gostaríamos que todos tratassem o turismo de maneira profissional e esses conceitos são reflexo desse profissionalismo que tentamos implantar”, disse Carvalho. (Fonte: SETUR)

Militar é preso por suspeita de 'arrastão' em Ubatuba no Carnaval
Cabo do Cavex de Taubaté e dois homens são acusados de integrarem quadrilha que roubou R$ 350 mil

Ubatuba - Um cabo do Cavex (Comando de Aviação do Exército) de Taubaté e outros dois homens foram detidos na madrugada de ontem suspeitos de pertencerem à quadrilha que cometeu uma série de assaltos em Ubatuba durante o feriado de Carnaval.
O cabo Jozimar Maurício Moreira da Costa, 21 anos, e mais um suspeito foram detidos em Taubaté. O outro acusado foi preso em São Sebastião. Os três homens já foram reconhecidos por três vítimas.
A Polícia Militar de Taubaté chegou até o cabo por meio de uma denúncia anônima. Ele foi preso em sua casa, no bairro Garcez, com uma pistola calibre 9 milímetros e um fuzil calibre 223 milímetros, de uso exclusivo do Exército, que teria sido usado nos assaltos.
Costa foi enviado para o comando do Cavex, onde está detido. O nome dos outros dois suspeitos não foram divulgados pela polícia.
O delegado titular de Ubatuba, Fausto Cardoso, afirmou que a quadrilha deve ter pelo menos mais cinco homens e ele acredita que todo o grupo seja de Taubaté.
"Eles provavelmente vieram para efetuar os assaltos e voltaram para a cidade. Não vamos passar muitos detalhes das prisões para não atrapalhar as investigações, pois no mínimo existem mais cinco suspeitos", disse o delegado.
O Cavex confirmou a prisão, mas não deu detalhes sobre o caso.
ASSALTOS - Os setores de inteligência das polícias Civil e Militar do Litoral Norte estão investigando a quadrilha que levou mais de R$ 350 mil em dinheiro em furtos e roubos a casas de veraneio, banco e estabelecimentos comerciais.
O delegado não identificou quais vítimas teriam reconhecido os suspeitos detidos.
Um dos assaltos aconteceu na noite de terça-feira, quando cinco homens armados de pistolas e um fuzil invadiram a casa noturna Red Beach, na praia Vermelha, em Ubatuba, e levaram R$ 120 mil em dinheiro.
No mesmo dia, cerca de cinco horas depois, três homens armados de pistola e fuzil assaltaram uma casa na avenida Principal do bairro Barro Seco, levando dinheiro, objetos pessoais e um veículo.
No bairro Perequê-Açú, dois homens e uma mulher armados roubaram R$ 20 mil e cinco celulares do comerciante J.B.S., 48 anos, que estava em sua residência.
No final de semana, R$ 40 mil foram levados da agência da Nossa Caixa de Ubatuba e mais R$ 40 mil do Bingo Ubatuba.
O cabo e os outros suspeitos estão sendo investigados por suposto envolvimento em todos os assaltos.
Mesmo com estas ocorrências, foi registrada uma queda de até 18,5% de crimes neste Carnaval, comparado ao ano passado, no Litoral Norte. Nenhum homicídio foi cometido.
Por determinação da Secretaria de Segurança Pública, as polícias não informam o número exato de ocorrências registradas nos quatro dias de Carnaval. (Fonte: ValeParaibano)

Cavex diz que cabo fica detido

Taubaté - O Cavex (Comando de Aviação do Exército) de Taubaté informou ontem, por meio da assessoria de comunicação, que o cabo Jozimar Maurício Moreira da Costa, 21 anos, ficará detido enquanto é apurado seu suposto envolvimento com os assaltos.
O comando não informou se o cabo tem antecedentes e não passou mais nenhum detalhe do caso, alegando que apenas acompanha a investigação junto à Polícia Civil.
Costa foi detido na madrugada de ontem pela Polícia Militar de Taubaté. O ValeParaibano não localizou nenhum advogado do suspeito para comentar o assunto. (Fonte: ValeParaibano)

Conto em Capítulos Topo

Clique para acessar  os capítulos anteriores
Clique para acessar os capítulos anteriores

Capítulo XXI: Dorinha na parada

Depois de finalmente chegar em Ubatuba e me dar conta de que dificilmente encontraria Martha, saí caminhando sem destino pelas ruas da cidade. Andei por toda a praia de Itaguá, passando em frente ao Iate Clube e só parando no portinho, em frente à fábrica de gelo. Havia pescadores, fiquei observando por um tempo, a minha cabeça não parava de girar em volutas redundantes que começavam e terminavam na imagem de Martha. Um pescador fisgou alguma coisa, foi um alvoroço, era um baiacu, dos grandes. O peixe foi deixado agonizando sobre o piso frio de concreto. Senti pena, havia desespero naqueles olhos redondos. Ele parecia pressentir que alguma coisa preciosa estava indo embora, sendo roubada, sem que nada pudesse ser feito. A agonia do animal me induziu a refletir sobre a vida. A minha estava correndo o risco de terminar abruptamente, desde que eu me envolvera num caso que não tinha começ o nem parecia ter fim e, nem ao menos fazia sentido. As coisas iam simplesmente acontecendo e eu levado pelas ondas flutuava ao sabor dos acontecimentos. A isso se costuma chamar de impotência, sem nenhuma conotação sexual embora pudesse redundar nela. O pescador terminou com o sofrimento do peixe, matando-o com um canivete. Os olhos permaneceram abertos, acendi um cigarro e deixei o pensamento correr livre enquanto observava. Basicamente o que estava ali era o peixe, a mesma massa, os mesmos componentes químicos, as mesmas barbatanas. Mas na verdade não era o peixe, faltava a anima, apenas parecia o peixe. Desaparecera a centelha que separa o animado do inanimado que chamamos vida, o que eu nunca consegui saber o que é exatamente. Provavelmente ninguém sabe, ou melhor, ninguém jamais me deu uma explicação convincente. Por alguns instantes o baiacu ocupou os meus pensamentos, lembrei-me que esses peixes têm uma toxina, que ingerida por seres humanos, coloca a vida em estado de suspensão. É usada no Haiti, para produzir zumbis. Aos poucos o pensamento retornou aos círculos redundantes, voltei para a cidade. Cansado pela longa caminhada, providencialmente consegui um táxi, exatamente quando começava a chover. Antes de retornar ao hotel, parei na pastelaria do Araca, que estava quase fechando e comi um pastel de queijo. Foi o jantar, eu precisava dormir, na manhã seguinte muita coisas havia para eu fazer. Fui para o hotel. O recepcionista me deu um recado, segundo ele deixado por uma garota há poucos minutos. Perguntei como era a garota, se alta ou baixa, bonita ou feia, ele não sabia, não percebeu, com o radinho colado no ouvido e com a cabeça no Maracanã, onde jogavam Corinthians e Vasco, ele não teria visto ainda que ela estivesse nua. Fui até o quarto tomar um banho, e então me dei conta de que a mala de roupas havia ficado no carro de Martha. Só havia a roupa do corpo e esta não estava nas melhores condições. E o pior, dentro da jaqueta na ma la eu deixara todo o dinheiro com o qual esperava passar os próximos dois meses. No recado havia apenas um endereço próximo, na rua Olinto de Carvalho. Vasculhei os bolsos, o que eu tinha era suficiente para mais dois dias, sem excessos. No mato sem cachorro, sem lenço e sem documentos e nada no bolso ou nas mãos, assim me senti. A seqüência de acontecimentos negativos haveria de ter um fim, pelo menos eu esperava, com fervor. E se esse fim ainda estivesse distante? Entrei no chuveiro imaginando encontrar Martha no endereço do bilhete. Assim que ensaboei os cabelos, bateram na porta. Fui atender enrolado na toalha, não havia ninguém, apenas a minha bagagem deixada em frente ao quarto. Corri até a portaria, ainda enrolado na toalha, um ônibus de Mogi das cruzes despejara uma multidão de velhinhos japoneses que ficaram alvoroçados com a minha chegada. Quase agarrando o recepcionista pela garganta, fiz com que ele me desse um pouco d e atenção. A garota que trouxera o bilhete tinha deixado a mala que ele havia esquecido de me dar quando cheguei. Era morena e muito bonita. Com as características descritas não tinha sido Martha, voltei para o quarto, pelo menos agora eu teria shampoo para o banho e depois iria vestir uma camisa limpa. Caminhei até o endereço, era uma casinha geminada como outras tantas, bati na porta e quando esta foi aberta quase tive um ataque cardíaco. A garota que eu vira morrer no acidente que não houve, estava ali, sorrindo, em pé na minha frente. Convidado, entrei e fiquei surpreso com o conforto da casinha, extremamente bem mobiliada. Logo apareceu o rapaz que me seqüestrara, as volutas do meu pensamento começaram a materializar-se em realidade. A garota me deu uma espécie de caderno e disse que eles estavam de partida, mas que eu fosse para o Morro do Funhenhado no outro dia de manhã. Eu estava sendo esperado. O caderno era para eu entregar para o Escocês. Dito isto eles começaram os preparativos para sair, fiz menção de acompanhá-los, mas eles pediram para que ficasse, outra pessoa queria falar comigo. Ela viria em seguida. Eles saíram, fiquei examinando o caderno, cheio de cifras, parecia escrito em linguagem binária, mas apenas parecia. Depois de tentar encontrar alguma lógica repetitiva naqueles símbolos, acabei desistindo, estava além de minha capacidade de desvendar códigos. Principalmente pelo fato de eu desconhecer o idioma codificado. Peguei uma revista que estava sobre a mesa e tentei me concentrar em alguma coisa, depois de mais de uma hora esperando escutei um carro parando na frente da casa. Logo alguém entrou, alguém que tinha a chave da casa. Quando vi quem era fiquei surpreso e ao mesmo tempo feliz. Dorinha, a mulher do americano, a mesma que encontrei na casa de Martha. Ela me perguntou se eu havia recebido as roupas. Eu disse que sim e perguntei sobre Martha. Ela colocou o dedo indicador sobre a minha boca, como que querendo me cala r. Agora você vai ter de esquecer Martha por uns tempos. Espere um pouco, vou tomar um banho. Enquanto ela foi para o quarto, servi-me de uma dose de whisky com água, e coloquei um disco de Nina Simone no toca discos. Pouco depois fui chamado para o quarto, ela então me disse que iria comigo para o Perequê-mirim, mas que agora ia me ajudar a esquecer Martha. Quando o roupão deslizou para o chão entendi a razão do americano ter perdido a cabeça. Iria ser uma noite memorável. Teria o azar terminado?

Sidney Borges
www.lojasmurray.blogger.com.br/index.html

Carta do Leitor Topo

Regata de Oceano em Caraguá - Prezados, foi ótima esta regata, a organização e o apoio obtidos para o evento. Mal posso esperar pelas outras etapas da regata. Não pude deixar de notar alguns pequenos equívocos em sua matéria sobre este evento, além do nome BAKANNA ser publicado errado (saiu Bacana). O veleiro Sonia, terceiro colocado na classe especial é de Ubatuba, e não de Caraguatatuba como foi publicado e o veleiro BYE BYE também saiu com o nome errado (saiu By By).
Aprecio bastante o trabalho de vcs e agradeço pelo apoio e atenção dispensados para este evento e gostaria de parabenizá-los pelo ótimo trabalho que vem fazendo aí no litoral norte de São Paulo.
Segue anexo uma foto bastante interessante do veleiro Bakanna, onde ficou em 2º lugar na Semana Internacional de vela de Ilha Bela em 2003,  na classe bico de proa C.
Um abraço a todos

Arq Marco Mobrige
São Paulo, SP


Maldição de Cunhambebe - Caro Ronaldo Dias. Quanto a maldição de Cunhambebe que seu amigo Renato escreveu. Em Primeiro lugar, conheci Renato Nunes, (arquiteto?) na Fazenda Capricórnio a tempos atras. Se para tirar o Município de Ubatuba do atrazo é necessário interrompe a comemoração da Paz de Iperoig, o que estamos esperando?
Que são os vereadores? Estive na Itamambuca durante o carnaval e tinha um grupo apitando e distribuindo sacos de lixo do candidato Turco Louco. Com um nome desses, ele deveria encabeçar o movimento.
Em 30 anos que ando por Ubatuba este carnaval foi a primeira vez que ouvi a estória da Maldição, do amigo Auro Galiotti, do recem inaugurado restaurante Drumond. Uma busca no Google e em primeiro lugar estava sua opinião: http://www.litoralvirtual.com.br/opiniao/amaldicaodecunhambebe.html
Onde quero chegar, é que se for preciso, troco meu domicílio eleitoral para apoiar o cara que articular a mudança na comemoração. Deve ser duro para a Igreja, ter que admitir que enganou alguém, põe a culpa nos portugueses, no João Ramalho, no Brás Cubas e no Estácio de Sá! Esses são os responsáveis pelo atraso! Pode escrever. Vamos mudar a história!
Manda um Abraço para o Renato, diga que é o filho do Dick.

Andrew Hayes
(Encaminhado pelo colunista Ronaldo Dias)


Bloco das Piranhas - Gostaria de deixar aqui, o meu protesto aos organizadores do Bloco das Piranhas... O grupo está perdendo a originalidade para dar lugar a libertinagem... Houve um desrespeito à população que debaixo de chuva saiu para prestigiar a folia....
Em outros anos o que se via era alegria e descontração com os participantes... cada um a sua maneira.
Este ano foi um horror, um grupo invadindo o Shopping, como se fosse um arrastão, causando medo e perigo aos que estavam na porta do Shopping, se protegendo da chuva...
Outro grupo tirando as calças, com gestos obscenos nas ruas, tiravam a alegria do grupo fazendo com que um momento de descontração se tornassem momentos de repugnação e vergonha para os que assistiam.
Fomos para ver meu filho um dos participantes do bloco como faz há 10 anos, desde que mudamos p/ o Litoral... mas os amigos que estavam em minha casa, eu e demais membros da minha família, (neta e demais crianças) ficamos sem saber o que falar... todos decepcionados com o acontecido.
Se adianta vai aí uma sugestão: inscrevam os participantes, dê a cada inscrito uma identificação, regulem a participação e cobrem um valor simbólico... tal como arrecadação de alimentos, para que grupos sem compromissos, não atrapalhem uma tradição de Caraguatatuba.
Esse grupo que me refiro pode ser de turistas descompromissados, ou mesmo moradores que não entendem o objetivo do grupo, mas que não deve acontecer mais...
Piranha sim, perversão, sacanagem não... onde fica o respeito às famílias que querem assistir o bloco?
Tenho outra pergunta, não havia policiamento? Talvez pudessem conter tais atitudes.
Carnaval é alegria e não orgia e baixaria...
Grata.

Dulcinea Nunes
Caraguatatuba, SP


Ubatuba, Carnaval 2004 - Pelo menos no discurso, devemos reconhecer a coerêcia de Sergio Carvalho. Em janeiro de 2003 ele falava que não havia tempo hábil para organizar o carnaval. Essa tarefa era para todo o ano de 2003 visando o carnaval de 2004. Hoje ele declarou, em entrevista na Rádio Costa Azul, que precisa de todo o ano de 2004 para organizar o carnaval de 2005.
É realmete invejável a coerência desse rapaz!

Carlos Rizzo
Ubatuba, SP


Ainda sobre a demissão dos radialistas Dodinho e Tony Luiz - A propósito, ainda, da demissão de nossos dois melhores radialistas de Ubatuba, assunto sobre o qual escrevi em recente edição deste nosso “Litoral Virtual”, permitam-me nossos leitores reproduzir um texto de Rui Barbosa, parte de um de seus discursos compilado em a “Campanha Presidencial”, muito adequado à nossa atual situação, não só no que diz respeito à essas duas demissões, como, também, a outros aspectos de nossa vida pública.
O título desse texto é: “Como Apodrece Uma Nação” e, assim, versa:
“Ora, onde não entra o sol, não entra a saúde, onde não entra a luz, não entra o asseio, onde não entra a claridade, não entra a ordem, a pureza, o contentamento. A vida que se desenvolve nas trevas, é a vida baixa, descorada, maligna dos miasmas (ocorrência derivada de podridão), das sevandijas (o mesmo que lagartixa, denotando pessoas que vivem à custa de outros) e dos ratos, a vida triste, infecta e odiosa das masmorras, dos subterrâneos e dos esgotos. Quando os governos alugam os jornalistas, para enganarem a nação e o estrangeiro; quando os governos assalariam os telégrafos, para intrujarem (imiscuírem-se com outras pessoas para as enganar); quando os governos venalizam (compram porque se vendem) os legisladores , para servirem às suas ordens e cobrirem os seus crimes, a vida nacional fugiu do ar livre, e, subterrada na obscuridade, não gera senão, bafios (gente com cheiro de mofo), minhocas, escorpiões e lesmas”.
Nota: não é interessante que ele se refira não só aos jornalistas comprados, mas, também, aos telegrafistas e aos legisladores???

Ernesto F. Cardoso Jr
Ubatuba, SP

Foto do Dia Topo

Caraguatatuba

Camaroeiro

Vista de Caraguá
©Zé Mário - High Fly


Para instalar a foto como papel de parede (wallpaper)
Clique na foto acima. Após carregar a foto ampliada, clique com o botão direito do mouse sobre a imagem e escolha "Definir como papel de parede" ou "Definir como fundo de tela". Para ajustar a imagem em tela cheia, clique em qualquer lugar da área de trabalho com o botão direito do mouse, escolha "Propriedades" / "Fundo de Tela" ou "Papel de Parede" / "Ampliar".

Arquivos:  Foto Saudade  -  Foto do Dia
 

 Faça seu comentário, crítica, opinião ou sugestão no Litoral Virtual:
Clique Aqui


As notícias, fotos e cartas publicadas neste boletim são de inteira responsabilidade de suas fontes e autores,
não expressando necessariamente a opinião deste informativo. O envio de qualquer material para nosso e-mail
será considerado como autorizado a sua publicação e assumida a total responsabilidade pelo seu conteúdo.
As cartas devem conter nome completo, RG, endereço, telefone de contato e um e-mail válido.
Reservamos o direito de não publicar cartas que não contenham a devida  identificação do autor.


GRÁTIS!!
Receba as Últimas Notícias do Litoral em seu e-mail:

Quero receber GRATUITAMENTE o boletim Últimas Notícias do Litoral na versão:

Compacta (apenas as manchetes c/ Link)
Completa (todas as notícias na íntegra) 
e-mail:
Cidade:



Obs.: Você poderá cancelar o recebimento das notícias a qualquer momento.

 

Conheça as cidades do Litoral Norte Paulista:

Caraguatatuba Ilhabela São Sebastião Ubatuba

Litoral Virtual
O mais completo site do Litoral Norte Paulista na Internet
Sugestões, críticas e informações, entre em contato:
info@litoralvirtual.com.br

©1995/2001 Emilio Campi - Studio Maranduba - Direitos Reservados
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem a expressa autorização do autor