Artigos Anteriores

Ronaldo Dias

78 Rotações

Sempre ouvimos palavras utilizando um radical mais um sufixo, no caso diminutivo, de forma a justificar a "coisa" ou pessoa referida. A justificativa utilizando a pequenez, quando não com significado carinhoso, tem embutida, alguma desculpa para que o ouvinte concorde com seu interlocutor, ou mesmo que aceite a justificativa da forma ou da razão de ser da tal "coisa" ou pessoa.

Exagerando : " ... Sabe Zezinho, estava precisando dar uma "pinturinha" no "puxadinho" daquela minha "casinha", que fica lá no fundo daquela "ruazinha", quase em frente aquele "predinho" daquele "advogadozinho" que vive implicando com o barulho do "barzinho" do Toninho. Explicação maçante, mas tudo isso, para falar um pouco dos "...INHOS" e das "INHAS". Assim, partimos para a IDENTIFICAÇÃO de uma infinidade delas (coisas e pessoas).

Predinho : Um prédio pequeno, nem sempre com planta aprovada, sem arquitetura, mal ajambrado, mais parecendo, para quem vê de longe, uma caixa de sapatos com furos.

Puxadinho : telhado mal escorado, mal coberto, ou um apêndice (supurado), de uma construção principal, de segunda categoria, geralmente idealizado por pessoa de péssimo gosto estético.

Ruazinha: acesso criado, geralmente clandestino, em que, passando o tempo, até a prefeitura esquece e abandona. As ruazinhas podem ser encontradas, aos montes, no centro, e em qualquer uma das, praias – bairros, de nossa cidade.

Carrinhos. Longe de serem carros pequenos, são carrinhos que manipulam alimentos e transportam salmonelas ( aquele vírus que ataca o aparelho digestivo, provocando azia, queimações e sangramentos intestinais) longe, bem longe dos olhos da vigilância sanitária.

Barraquinha: não é uma barraca, muito menos um barracão é só uma inofensiva barraquinha, muito embora, por ela passe volumes astronômicos de mercadorias, sem cupom fiscal, de vários atacadistas da 25.

Um minutinho: aqueles minutos intermináveis nas salas de espera dos médicos, dentistas, ou nas filas das repartições públicas ou dos bancos.

Só um pouquinho: porção generosa ingerida aos poucos, geralmente por pessoas demasiadamente obesas. A idéia de pequenez pode ser transmitida com sentido afetivo, pejorativo, de falsa modéstia ou de desculpa para quem poderia ou deveria fazer a coisa certa, ou pelo menos melhor.

Assim, por exemplo, viemos criando e “construindo” grande parte de nossa desestrutura turística. Devagarzinho apareceram... uns (centenas deles) apartamentinhos, ...coisa simples, ...só para alugar na temporada, concorrem com pousadas e hotéis. Experimentem a dificuldade hoje, de aprovar nos órgãos oficiais, um hotel ou um predinho. Agora, com a novidade, mais uns 4 andarzinhos, em cima daqueles outros quatrinhos, para só mais uns apertamentinhos de um dormitóriozinho, para instalar só umas familiazinhas na temporada, para ganhar uns dinheirinhos.

Dá pra fazer esse favorzinho? Continuemos. Com um “banho Maria” mais enfeitado e um fogão tocado com a barriga (na garagem) serve-se uns pratinhos. Um forninho pré fabricado nos fundos, e meia dúzia de mesas, umas pizzazinhas. Uma bancada gelada e um freezer, uns sorvetinhos. Uma barraquinha (de lona plástica) na beira da estrada, bar e lanches. Uma ruazinha, acaba com um aeroportozinho. Um caninho, vira um montão de esgoto na sarjeta das ruas da cidade. Umas lixeirazinhas, levam pro riozinho um mar de xorume. Uns barraquinhos, viram uma favela. Outro dia li no jornal concorrente, uma matéria muito boa, que lembrava, entre outras, das atividades da secretaria do planejamento. Para uma cidade, entre as que mais crescem no país, e ainda por cima, recebe 1.000.000 de visitantes, deveria ser a secretaria mais importante e a mais ouvida do município.

Afinal, como resolver tantos problemazinhos, que tem se acumulado, sem um mínimo de planejamento? Está havendo algum planejamento e só eu não tenho notícia? Ou, o que foi planejando nos últimos anos, está tão atrasado, que não serve para amanhã? Ou o planejamento tem sido uma secretariazinha só pra constar? Estamos em um “novo” início. Vamos esperar mais um pouco. Ubatuba esta esperando. Há apenas 364 anos! Ta certo!

Olhem, às vezes, me sinto um discozinho daqueles de 78 rotações, que de tanto tocar, encalha na mesma música. Mesmo assim, vou insistir, afinal tem tanta coisa que incomoda e tanta gente que suporta. Quem sabe, de tanto tocar o mesmo trecho da música, alguém ouça e tome alguma atitude? Só uminha. Quem sabe também, comecem pela demolição das lixeiras, coisas escrotas, poluidoras, que só se vê aqui em Ubatuba e nos filmes que se passam na IDADE MÉDIA, aquela da PESTE NEGRA, que os esgotos corriam pelas ruas e as pessoas faziam suas necessidades fisiológicas onde estivessem. Fedorentas, imundas, as lixeiras são verdadeiros depósitos das mais variadas e diversas doenças transmissíveis. De onde será que importaram a idéia dessas lixeiras? De alguma cidade do interior da Índia? Viram em MIAMI?

Mas..., deixa estar, esperemos mais um pouquinho. A hora que a Secretaria da Vigilância Sanitária saber que existem essas tais lixeiras... Enquanto isso, vamos indo. Muito devagar no que precisa. Se for assim, um passinho de cada vez, a cada atitude efetiva, vou mudando de faixa. Até acabar o disco. Pronto! Se ficar como estava, passinho pra frente, passinho pra trás, o jeito é aumentar o volume. Quem sabe alguém me empresta o trio elétrico grandão do tal carnaval, para eu tocar, bem alto, meu velho e desgastado disco por aí; e resolver, de tanto tocar, esses probleminhas. Aí, troco meu velho disco, pelo tal do CD!

Ubatuba, 08/02/2001

Ronaldo Dias

Artigos Anteriores
Caraguatatuba Ilhabela São Sebastião Ubatuba
Conheça as cidades do Litoral Norte:
Caraguatatuba Ilhabela São Sebastião Ubatuba
Home Litoral Virtual - Home Page
O mais completo site do Litoral Norte Paulista na Internet

info@litoralvirtual.com.br
©1995/2010 Emilio Campi - Studio Maranduba - Direitos Reservados
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem a expressa autorização do autor

Sites do grupo: Litoral Virtual - Jornal Maranduba - PanoTour - Caraguá - Maranduba - Maré Legal - Truckmodelismo Brasil - ECampi