Artigos Anteriores

Ronaldo Dias

Caminhos e Labirintos

Em nome da normatização da “programação visual” do município, esta semana deu caça as placas, faixas e tabuletas indicativas. A chiadeira maior, e com razão, foi por conta da surpresa. Não houve nenhum aviso oficial ou notificação. Um rapa. Uma ação coercitiva e prejudicial tanto aos proprietários das placas quanto aos usuários, merecia uma ação pensada, planejada e coerente.

No mínimo, esperava-se a substituição imediata por outras dentro do “padrão”. Afinal, estamos, pensamos ou nos iludimos estar em um município turístico. A pergunta é: existe e já esta devida e legalmente aprovada a nova normatização? Parece que não. E enquanto isso? A poluição visual das várias formas de indicação e /ou divulgação através de placas, faixas e etc, é, sem sombra de dúvidas uma agressão a nossa paisagem.

Como elas, há uma enormidade de outros agentes não menos e tão mais “poluidores” da paisagem que foram preteridos da “caça”. Porque será? Dão mais trabalho? As caças reagiriam com violência? Haveria maior prejuízo político? Precisaria de mais coragem? Caça é caça.

A “presa” mais atual pode-se constatar nos “campos’ da praça da Exaltação a santa Cruz. Barracas vermelhas (horríveis) “adornadas” por pontaletes de eucalipto fincados no passeio público (que jamais será consertado) pintados também de vermelho vivo, com uma bandeirola “festiva” na ponta. Lindos! Afora o manuseio de alimentos ao ar livre (nos moldes dos carrinhos de lanche) sem higiene e sem sanitários, o lixo malcheiroso deles, de cada dia, se avoluma nas esquinas, revirados a todo instante por catadores de latinhas e mendigos a procura de restos de vinho quente ou quentão. Qualquer um pode ter direito ao “mau gosto” desde que o tenha dentro de sua casa. Nunca em uma área pública e principalmente em uma cidade turística. Da vergonha.

Duas outras, mais antigas, são a feirinha paraguaia e suas lonas multicoloridas aposta em túmulos gigantes, de frente para o mar, numa verdadeira obra de arquitetura insana e os afamados carrinhos de lanche espalhados pela avenida Iperoyg (e pelas ruas da cidade). Poderíamos ainda citar as “maravilhosas” “butiques de praia”, as exposições de redeiros, de móveis na beira da estrada, o camelódromo da Praia Grande, os depósitos de areia e pedras nas vias publicas, as placas da SABESP (sabendo usar não vai faltar) a da Cooperativa de esgoto da praia Grande (caindo aos pedaços) as faixas oficiais amarradas em postes e arvores.

Nossa!!! Quantas caças a serem caçadas. O problema é que não há “bala” para estas caças. Muito mais fácil atirar naquelas (estáticas) que (aparentemente) pouco revidam. Muito barulho. Até quando? Nenhum excesso de boa vontade pode eximir o planejamento. Principalmente daqueles que “estão a soldo da comunidade”. O resultado é um monte de ações desencontradas e desordenadas de efeitos pífios (como os abandonados mirantes). Existem vários caminhos que levam a um mesmo lugar. A cidade e sua economia precisa urgente é de resultados práticos. Chega de labirintos. Desse tipo de caminho (tentativa e erro) já conhecemos e estamos cansados. De todos.

Ubatuba, 22/07/2002

Ronaldo Dias

Artigos Anteriores

Caraguatatuba Ilhabela São Sebastião Ubatuba
Conheça as cidades do Litoral Norte:
Caraguatatuba Ilhabela São Sebastião Ubatuba
Home Litoral Virtual - Home Page
O mais completo site do Litoral Norte Paulista na Internet

info@litoralvirtual.com.br
©1995/2010 Emilio Campi - Studio Maranduba - Direitos Reservados
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem a expressa autorização do autor

Sites do grupo: Litoral Virtual - Jornal Maranduba - PanoTour - Caraguá - Maranduba - Maré Legal - Truckmodelismo Brasil - ECampi