Artigos Anteriores

Ronaldo Dias

Game Over

A globalização atinge, vejam só também nossas eleições. Ela tenta influenciar o eleitor discriminando o resultado favorável e este ou aquele candidato. O deus mercado influencia as taxas de juros, os papéis da dívida externa derruba bolsas em um piscar de olhos nas pesquisas eleitorais. A certeza é que, ganhe quem ganhe, para o eleitor, as turbulências trarão sempre seus efeitos colaterais.

Tenho uma tese de que vivemos uma ditadura democrática. Existe isso? Na prática, a rígida estrutura política dos partidos tem, nestes longos anos, impedido o acesso de novos nomes. Novos, não só nos nomes, mas de candidatos jovens, com formação específica, freqüentadores de muitos anos de banco de escola, aptos à participar da vida política do país. O que vemos é justamente ao contrário. Os velhos e sempre os mesmos “caciques” narcisos, manipuladores, donos de todas as nossas verdades. Escondidos atrás do revanchismo verde-oliva, a quem tanto criticam (mas conviveram) pouco ou “mal-fizeram” nestes últimos vinte anos. O resultado do tripé de sustentação de uma sociedade (saúde, segurança e educação) está de “quatro”.

Pioramos em todas as pernas. Os investimentos em infraestrutura? Privatizados! Os resultados estão aí para quem quer ver. By, by soberania. O que é pior, o mau exemplo que dão e praticam, somada a longa série de eventos relatando corrupção do ministro joalheiro de esmeraldas ás propinas das privatizações, passando pela Georgina (saqueadora da previdência). Esse é o exemplo para os jovens? Muito em breve o Aurélio (dicionário) trará um novo sinônimo de “político”. Sinônimo “construído” pelos próprios.

Quando, um partido terá a preocupação básica de um programa de governo de verdade e não estes “fabricados” de última hora pelos seus marqueteiros? Quando, terá em suas bases a preparação de jovens para assumirem posições políticas dentro dos respectivos partidos? Quando, os partidos terão, realmente, preocupação com os destinos da nação? Com o futuro de seus filhos? Bêbados de poder e pelo poder, cegos, donos absolutos das verdades absolutas sentem-se deuses no Olimpio político. Sempre os mesmos!

Será que entre 170.000.000 de compatriotas só temos estes? Procuram, apenas entre seus pares e, cada vez com mais dificuldade de encontrar, um nome! Um nome que lhes proporcionem a permanência vitalícia no poder. Por uns poucos (ou muitos) dinheiros (ou cargos) conchavam. Blefam. Ameaçam. Rompem. Atacam. Coagem. Perseguem. Denunciam. Tudo, pela dedicação (nem sempre exclusiva) à vida pública, como a campanha do ouro para o bem do Brasil. Este mesmo quadro tem se repetido em todas as eleições para qualquer governo.

As necessidades dos cidadãos têm crescido muito mais que proporcional que a capacidade política dos políticos em administrar a coisa pública. O que dirá o país? Até quando suportaremos esse modelo político tão ditatorial, ultrapassado e vergonhoso quanto dizem e apregoam ter sido a ditadura? Anseio pelo fim desta democracia burra, ultrapassada e truculenta. Sonho com carapintadas. Carapintadas de coração verde amarelo. Carapintadas de verdade. GAME OVER!

Ubatuba, 10/05/2002

Ronaldo Dias

Artigos Anteriores

Caraguatatuba Ilhabela São Sebastião Ubatuba
Conheça as cidades do Litoral Norte:
Caraguatatuba Ilhabela São Sebastião Ubatuba
Home Litoral Virtual - Home Page
O mais completo site do Litoral Norte Paulista na Internet

info@litoralvirtual.com.br
©1995/2010 Emilio Campi - Studio Maranduba - Direitos Reservados
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem a expressa autorização do autor

Sites do grupo: Litoral Virtual - Jornal Maranduba - PanoTour - Caraguá - Maranduba - Maré Legal - Truckmodelismo Brasil - ECampi