Artigos Anteriores

Ronaldo Dias

O Deus Mercado

O Financial Times noticiou pesquisa da Young & Rubicam, uma das maiores agência de publicidade do mundo uma lista contendo as 10 grifes mais famosas. São elas: Coca –Cola ( 35.000.000 de umidades vendidas a cada hora), Disney, NiKe, BMW, Porche, Mercedes-Benz, Adidas, Rolls-Royce, Calvin Klein e Rolex.

Um espanto. Essas marcas, verdadeiros TOTENS do consumo possuem poderes de paixão e dinamismo necessário para converter pessoas a essa “religião” e transformar o mundo das marcas, em um grande altar de consumo. A publicidade, o Marketing e suas técnicas vieram, a partir da Revolução industrial, vieram impor o supérfluo como necessário. O possuir, o Ter, passaram de verbos para medidas de valorização pessoal.

Quem tem uma BMW ou uma Mercedes, “Meca”, para os íntimos, são mais bem recebidos em qualquer lugar do que os que possuem um veículo popular 1000 cc. Essa nova escala de valores é que classifica as pessoas. Não é o ser humano que é valorizado pelo que ele é ou representa, mas os produtos que tem ou ostenta que lhe imprime “valor”.

O TER, é mais valorizado do que o SER. Os antigos hábitos de lazer ou até mesmo a missa de domingo foram transferidos ou substituídos pelos Shoppings. Verdadeiros templos de consumo onde cada visitante sofre mais ou menos, as angústias do não consumo, de acordo com seu saldo bancário ou o crédito do cheque special. A apoteose do passeio é um banco da não menos famosa lanchonete Higt Tec, do palhaço Ronald, aquele do nariz vermelho.

Uma nova religião, a religião do consumo. Em matéria publicada por Frei Beto (O Estado) base desses dados, ele arremata ; “ O pecado dessa nova “religião” é que, ao contrário das tradicionais, ela não é altruísta, é egoísta; não favorece a solidariedade e sim a competitividade; não faz da vida um dom, mas posse. E o que é pior: acena com o paraíso na Terra e manda o consumidor para a eternidade completamente desprovido de todos os bens que acumulou deste lado da vida” arremata.

O fetiche do consumo tomou conta dos pensamentos das pessoas. Qualquer objetivo de vida passou a ser, mesmo veladamente, consumir. Consumir o máximo. Ter o máximo. Possuir todo o possível, mesmo que no final do mês os juros retirem o feijão da mesa. É só o vizinho não ver a falta do feijão, que fica valendo o sacrifício. Esse “hábito” que virou costume é passado mesmo em casa, de pais para filhos. Tanto, que os filhos quando fora de casa, ostentam para os amiguinhos o que e o quanto eles e seus pais possuem.

Essa é a nova educação nos berços. Começa mesmo sem o bebê saber, no quarto da maternidade. Ter, juntar, acumular. Muito, muito longe dos ensinamentos do Criador no Sermão da Montanha (Matheus). Dos hábitos do consumo, ditados pelo rei Mercado, não escapa nem mesmo as religiões em seus mais variados e novos segmentos. Algumas delas, em programas televisivos, apresentam fórmulas e remédios miraculosos, capazes de aliviar dores, curar doenças, falar com mortos e garantir, mediante a contribuição em “espécie” prosperidade, alegria e um lugarzinho especial no além.

É, Frei Beto, o Sr tem razão, o consumismo é uma doença da baixa auto - estima. É ele que esta passando a conferir significado e objetivo à vida. Até onde poderemos chegar? Ou melhor, até onde poderemos consumir? Lampejos ou sinais do fim dos tempos? A ambição não é nata, mas é facilmente despertada. O rei Mercado dita e prega aos seus súditos o hábito. Quem não o tiver, é condenado a “fogueira” do isolamento social.

Literalmente excluído dos escolhidos. O mote do consumismo é o que o poderoso mercado confere aos súditos como significado e objetivo de suas vidas. Uma verdadeira “religião”, arraigada e divulgada nos mais longínquos rincões,via satélite, que a cada instante, amplia seu “rebanho”.

Ubatuba, 29/03/2001

Ronaldo Dias

Artigos Anteriores

Caraguatatuba Ilhabela São Sebastião Ubatuba
Conheça as cidades do Litoral Norte:
Caraguatatuba Ilhabela São Sebastião Ubatuba
Home Litoral Virtual - Home Page
O mais completo site do Litoral Norte Paulista na Internet

info@litoralvirtual.com.br
©1995/2010 Emilio Campi - Studio Maranduba - Direitos Reservados
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem a expressa autorização do autor

Sites do grupo: Litoral Virtual - Jornal Maranduba - PanoTour - Caraguá - Maranduba - Maré Legal - Truckmodelismo Brasil - ECampi