Artigos Anteriores

Ronaldo Dias

O Show dos Milhões

São muitas as criticas. Muitas, até bem fundamentadas. Porém, alem de ações administrativas, posturas municipais e principalmente planejamento, nos falta verbas. Recentemente foi publicado nos principais jornais do país que o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) havia destinado nada mais nada menos do que U$$ 240.000.000,00 para investimento no turismo do nordeste.

São 240 milhões de dólares. Nada contra os investimentos (subsidiados) que beneficiem os irmãos nordestinos, mas, não me lembro de nenhuma mísera verba, mesmo em reais, destinada ao nosso estado para este fim. Os bancos oficiais (BNDS) o maior deles, vem, há alguns anos e sistematicamente beneficiando aqueles estados. O Resultado são projetos como SAUIPE e outros tantos complexos turísticos da rodovia do coco e linha verde. A alegação de receberem (todos juntos) anualmente 1,2 milhões de turistas, não justifica tantos privilégios, mesmo porque, aqui no Litoral norte, recebemos muito mais que isso apenas no verão.

Além destes financiamentos subsidiados para infraestrutura turística, incluindo, até mesmo, investimentos em saneamento básico, parte dele pode-se “assistir” aqui no sudeste, nos horários nobres da tv e nas mais caras mídias impressas, nas propagandas e divulgação maciça daqueles destinos turísticos. Além de ficarem com as verbas, as utilizam para assediar o “nosso” mercado. O resultado não poderia ser diferente. Apenas recursos do IPTU, as prefeituras do Litoral Norte, não conseguem administrar as crescentes necessidades econômicas do crescimento da população e do afluxo de turistas, num círculo vicioso e virtuoso, com os crescentes problemas sociais gerados pelo não atendimento desta demanda. Então, na busca de soluções alternativas, buscam no improviso amenizar os efeitos, sem, contudo poder fazer nada pelas suas causas. Atitudes localizadas, como pequenas obras, parecem gotas em um oceano de necessidades. Tais atitudes, com maior ou menor intensidade servem apenas para justificar o que se pensa e se julga, apenas inércia municipal.

Algumas heróicas e mal planejadas, como cobrança de estacionamento, são duramente criticadas (como não houvesse flanelinhas pelas ruas e praias) e não arrecadam o suficiente para justificar, quem sabe, até mesmo o próprio sistema de cobrança. Outro fator agravante são as áreas de preservação declaradas (e totalmente abandonadas) pelo estado, as quais os municípios, não tem recursos podem administrar. A eles, resta apenas críticas, como publicação recente pelo Vale Paraibano, de pesquisa da UNITAU, cujo coordenador afirma que as cidades do litoral norte “escondem” do centro os migrantes. Onde ele acha, por exemplo, que seria plausível abriga-los? Deveríamos construir milhares de casas populares? Onde? Com que verbas? Quanta bobagem! Não acreditei que uma Universidade, que tem extensão universitária em Ubatuba, autorizasse uma publicação tão estúpida. Ou no mínimo sugiro ao coordenador da pesquisa que abrigue em sua cidade, esses irmãos migrantes, e divida com eles, como nós fazemos, os parcos recursos da nossa falida Santa Casa, os bancos de escola dos nossos filhos e as vagas de nossas creches. Esses migrantes, em busca de uma vida melhor, que em suas cidades de origem, vem também em busca do que não temos a oferecer. Emprego. Não geramos empregos em uma economia cada vez mais informal (por necessidade de sobrevivência) onde até mesmo a Associação Comercial dá assistência ao comércio informal. Pode? Sem verbas semelhantes as “despejadas” no nordeste, não há milagre.

Não há tempo em que conseguiremos chegar à nossa real vocação. Do total abandono pelo estado em que nos encontramos, o mais fácil de ver e sentir são as próprias estradas de acesso. Estão “apenas” com de 30 anos de uso, sem manutenção adequada e, sem adequação necessária a demanda destes longos anos. Em nome da proteção ambiental, a Rodovia do Sol, está parada. Não sou absolutamente contra a proteção ambiental, muito pelo contrário, há que se preservar. Mas, não se pode preservar, sem controlar o aumento da população. É possível controlar o aumento da população? Ou vamos “selecionar” quem vai ocupar os espaços? Com certeza os falsos ambientalistas, vão querer ser os primeiros da fila.

Não se pode restringir o direito de ir e vir. Não se pode premiar a proteção em detrimento do homem. Não se pode “preservar” enquanto o homem morre de fome contemplando o palmito. Assim, como somos “obrigados” a receber, apenas no verão, 1.500.000 de visitantes sem a mínima que seja infraestrutura necessária, vão sempre sobrar apenas às críticas do porque não fazemos. Sem a benevolência dos financiamentos e investimentos oficiais milionários, vejo, nos exemplos de sucesso, apenas uma saída, para, a longo prazo, aumentar a arrecadação municipal e proporcionar investimentos consistentes. A municipalização (das abandonadas) vias de acesso pertencentes ao estado e a cobrança pelo uso, nos moldes dos projetos viários privatizados e já implantados com sucesso. Só este adicional de arrecadação consistente, proporcionará receita aos municípios suficientes para suas mais ansiosas necessidades.

Ubatuba, 25/03/2002

Ronaldo Dias

Artigos Anteriores

Caraguatatuba Ilhabela São Sebastião Ubatuba
Conheça as cidades do Litoral Norte:
Caraguatatuba Ilhabela São Sebastião Ubatuba
Home Litoral Virtual - Home Page
O mais completo site do Litoral Norte Paulista na Internet

info@litoralvirtual.com.br
©1995/2010 Emilio Campi - Studio Maranduba - Direitos Reservados
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem a expressa autorização do autor

Sites do grupo: Litoral Virtual - Jornal Maranduba - PanoTour - Caraguá - Maranduba - Maré Legal - Truckmodelismo Brasil - ECampi